sexta-feira, 8 de setembro de 2017

WAFFLES SOURDOUGH

Panquecas, crepes ou waffles são o triunvirato preferido para um pequeno-almoço, lanche ou melhor ainda para um brunch.
Esta massa é uma sugestão que gosto muito.

Porquê usar uma massa sourdough para preparar waffles?

Para além de todas as vantagens probióticas de uma fermentação natural e prolongada, a massa sourdough é muito leve, pelo que os waffles ficam bem arejados e crocantes. O sabor é característico, com travo fermentado mas adocidado. Quem está habituado ao pão sourdough sabe que o sabor e odor destas massas é perfeito, viciante e que faz salivar :)

Outra vantagem desta massa, e talvez a que deu o ponto de partida para estes waffles, é dar uso ao excesso de fermento sourdough da semana ou nas alturas em se pretende um fermento natural bem ativo que terá de ser alimentado mais regularmente, avolumando o próprio fermento. Em vez de ser rejeitado (porque aqui nada se estraga, tudo se transforma), o excesso do fermento mistura-se com ovos, alguma gordura (opcional) e corrige-se a textura da polme com alguma farinha para obter esta massa que poderá ficar da noite para o dia no frigorífico, pronta para preparar os waffles pela manhã. E aqui estão duas outras vantagens, pois sendo uma massa de fermentação lenta pode esperar algumas horas no fim de preparada e o trabalho fica feito para o pequeno-almoço. As intenções são sempre boas na noite anterior à da preparação de uns waffles, crepes ou outra sugestão, para o pequeno-almoço, mas de manhã... na realidade quem é que gosta de se levantar mais cedo para preparações cozinhadas logo de manhã, mesmo que seja ao fim de semana e para aqueles de que mais se gosta?

Querendo servir os waffles com coberturas doces poderá juntar-se algum aroma à massa, como raspa de citrinos ou baunilha.

As coberturas ficam ao critério de cada um, mas uma das minhas preferidas é esta de queijo fresco batido, abacate e alguma fruta mais adocicada como banana, pêssego ou figos, que estão na época e são uma perdição!

Fiz assim...

WAFFLES SOURDOUGH


INGREDIENTES
400g de fermento natural sourdough starter (100% de hidratação)
2 ovos
25-50g de azeite ou manteiga derretida
100g de farinha
1 colher (chá) de açúcar
pitada de sal

Para a cobertura:
1/2 abacate
queijo fresco batido ou iogurte grego magro não adocicado
2 figos
algumas amêndoas cruas ou torradas

PREPARAÇÃO
Numa taça bater primeiro os ovos com uma vara de arames ou garfo e depois juntar os restantes ingredientes, tornando a massa homogénea.
Cobrir a taça com película aderente ou colocar dentro de um saco plástico e reservar no frigorífico.

Na altura de preparar os waffles aquecer bem a máquina, untar as placas ou passar spray desmoldante e cobrir as placas inferiores com a massa.
Dar a volta máquina (se a máquina não for de girar, agarrar firmemente a máquina com um pano de cozinha e virar ao contrário por uns segundos, voltando à posição de repouso) e deixar cozinhar 5 minutos.
Retirar os waffles e deixar arrefecer sobre uma grelha.

Servir quentes, mornos, frios ou torrados com as coberturas desejadas ou simplesmente com um fio de mel ou xarope de ácer.


NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Sendo uma forma de gastar o excesso de fermento sourdough muitas vezes preparo estes waffles no dia (ou noite) que me dá mais jeito, congelo-os no fim de frios e ao pequeno-almoço colocados diretamente na torradeira, aquecem, voltam a ficar crocantes e o aroma ressurge, maravilhosos;
- A quantidade de farinha usada depende da hidratação do fermento e do tamanho dos ovos. Deverá ser usada uma quantidade que permita obter uma massa lisa, estilo panquecas, não muito presa;
- A hidratação do sourdough a 100% significa que este foi feito com partes iguais de água e farinha, pelo que em 400g de sourdough há 200g de água e 200g de farinha;
- Mais uma vez desmitifico a manutenção do fermento natural sourdough no frigorífico. No caso do usado nesta receita e por motivos que se prendem com a falta de tempo e do período de férias o fermento que tinha no frigorífico não foi alimentado durante 1 mês. No dia anterior a estes waffles misturei bem o que tinha e comecei a alimentá-lo 2-3 vezes por dia, durante dia e meio, pelo que obtive fermento para rejeitar, doar ou reutilizar com o qual fiz estes waffles. Manter um frasco de fermento sourdough no frigorífico é fácil e ele não reclama :)

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

KÄSEKUCHEN / CHEESECAKE ALEMÃO DE BAUNILHA

De textura densa e húmida é muito aromático e pouco doce, sobressaindo o sabor acre do queijo. Para os apreciadores de cheesecake de forno, fica aqui esta bela sugestão.

O queijo usado é o alemão quark, um queijo magro, diferente do americano queijo creme. É um queijo mais fresco, batido, semelhante a iogurte natural grego bem espesso.

Resulta num bolo ou tarte bastante grande, de aroma marcante a baunilha.
Escolhi esta receita com o propósito de gastar uns pudins instantâneos de baunilha que tinha na despensa, daqueles que se compram mas que nunca são usados... É bastante rápida de se fazer à mão ou no robot de cozinha.
Servi este cheesecake simples, sem cobertura, mas pode ser adicionada uma cobertura de doce ou compota de fruta a gosto.

Fiz assim...

KÄSEKUCHEN / CHEESECAKE ALEMÃO DE BAUNILHA


INGREDIENTES
Para a massa:
300g de farinha
125g de açúcar
125g de margarina
2 ovos
2 colheres (sopa) de açúcar baunilhado
1 colher (chá) de fermento para bolos

Para o recheio:
1kg de queijo quark
200g de açúcar
2 pacotes de pudim instantâneo de baunilha
600ml de leite
4 ovos
raspa de um limão

PREPARAÇÃO
Para a massa, colocar no copo do robot todos os ingredientes respetivos e programar 1 min/vel 5.
Forrar com a massa uma forma alta de mola. Reservar.

Para o recheio, deitar no copo todos os ingredientes com execeção do queijo e programar 1 min/vel 4.
Juntar o queijo quark e programar 1 min/vel 3-4.
Verter a mistura líquida do recheio sobre a massa.
Levar ao forno pré-aquecido a 200ºC, durante 1 hora. Se houver necessidade cobrir com papel de alumínio para não queimar.

Deixar arrefecer antes de colocar no frigorifico de um dia para o outro.
Desenformar apenas no dia seguinte desenforme.


NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- A forma a usar será de mola, Ø 25cm, originalmente alta mas eu preferi fazer numa de mola de Ø  35cm, ficando o cheesecake um pouco mais baixo;
- A massa antes de forrar não deve ficar muito mole, se assim ficar juntar um pouco mais de farinha e voltar a misturar;
- Os 2 pudins instantâneos de baunilha podem ser substituídos por 5 colheres (sopa) de farinha custard e mais 5-6 colheres (sopa) de açúcar;
- No mínimo este cheesecake tem que ser feito de véspera, pois precisa de solidificar no frigorífico;
- Preparado com 2-3 dias de antecedência e mantido no frigorífico não perde qualidade. Alguma sobra pode ser congelada que permanece semelhante depois de descongelada.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

PIZZA NO PRATO NO MICRO-ONDAS

Há momentos que apenas pizza podem salvar :) Sou um pizza addict, confesso. Desde garoto que o lanche ajantarado de domingo incluía pizza, geralmente feita numa forma de alumínio baixa com tampa própria, do género panela de pressão (com pipo e tudo), que a minha mãe assava no fogão. Quando fazia mais que uma pizza, iam para o forno, mas quando era apenas uma, esta forma prática resolvia a preparação em 10-15 minutos. De todas as pizzas, era famosa a de atum e cebola... ainda hoje é.

Os sabores de pizza sempre me cativou e saliento dois aspetos: o queijo derretido e o aroma dos orégãos quentes. Claro que o molho é importante, claro que a massa é fundamental, claro que os ingredientes usados na cobertura são decisivos, mas queijo e orégãos, nalguns momentos, é suficiente.

Algo que eu fazia há muito anos atrás, para um snack ou não, era simplesmente dispor num prato raso, 4-6 bolachas cream cracker e cobrir cada uma das bolachas com meia fatia de queijo flamengo e orégãos secos. Levava ao micro-ondas para derreter o queijo e já está. Adorava quando as bolachas se tocavam e o queijo derretido acabava por secar e unir as bolachas. Algumas variações eram famosas, barrar com um pouco de concentrado de tomate (bisnaga de polpa de tomate) muito levemente antes do queijo, e/ou algumas meias-luas de cebola como recheio antes do queijo. Outras vezes, uns farrapos de fiambre ou um pouco de atum desfiado incrementavam substancialmente estas bolachas-pizza.
Entretanto tive uns anos de esquecimento das bolachas cream cracker e substitui as mesmas por crackers italianas (aquelas levemente salgadas, retangulares com picotado pelo meio) usando todo a embalagem individual.

Esta versão de pizza no micro-ondas é feita originalmente numa caneca, de preferência larga e baixa, mas eu ainda a prefiro preparar num prato.
Há uns meses atrás, posso garantir, que a adição por estas pizzas foi tão grande que todos os dias da semana preparei uma, à ceia, e aproveitei para a servir num lanche surpresa aos garotos, que adoraram. Houve até lanches de domingo que o pedido especial foi comer no sofá uma destas pizzas, a ver um filme ;)

É bastante rápida, não precisa de muitos ingredientes na cobertura, podendo usar-se carnes ou apenas vegetais. A massa não é propriamente massa lêveda de pizza, lembra mais uma massa de bolo, por ser fofa e esfarelar, o que resulta bem por absorver a humidade do molho e do queijo.

Esta é uma sugestão a ter na manga para servir num momento descontraído ou para um momento hygge, só seu, não partilhado, no desconcertante dia-a-dia.

Fiz assim...

PIZZA NO PRATO NO MICRO-ONDAS


INGREDIENTES
Para a massa:
4 colheres (sopa) de farinha de trigo
1/2 colher (chá) de fermento em pó (tipo royal)
pitada de sal fino
3 colheres (sopa) de leite
1 colher (sopa) de azeite

Para o recheio:
1-2 colheres (sopa) de molho de tomate
3 colheres (sopa) de queijo ralado
chouriço/linguiça, fiambre, cogumelos, espargos, atum, cebola...
orégãos secos

PREPARAÇÃO
Num prato fundo colocar todos os ingredientes da massa e mexer com uma colher até obter uma massa homogénea.
Espalhar a massa por todo o prato.

Cobrir com o molho de tomate e o queijo ralado.
Dispor os ingredientes escolhidos e polvilhar com os orégãos.

Levar ao micro-ondas cerca de 1 minuto e meio.

Pizza de linguiça


Pizza de linguiça e espargos


Pizza de fiambre, cebola e majericão


NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- O tempo previsto no micro-ondas pode variar, uso 1 minuto e meio na potência máxima (1100w);
- Os recheios com algumas rodelas de linguiça ou chouriço resultam bem porque a gordura do enchido derrete um pouco no micro-ondas e o sabor ajuda a formar o molho da pizza e impregnar na massa.